Terminologia para corda de fibra

Usado nas normas e diretrizes

A terminologia e as definições são importantes para garantir comunicação e entendimento claros entre os membros da indústria, engenheiros, revendedores e consumidores / usuários.

Aqui você encontrará os termos usados ​​nas normas do Cordage Institute e, em muitos casos, podem diferir dos mesmos termos usados ​​em outras áreas da indústria têxtil ou de outras indústrias.

Foi feita uma tentativa de listar todos os termos pelo substantivo-chave. Assim, 'Twill Braid' será encontrado em 'Braid, sarja'. No entanto, outros termos são mais facilmente compreendidos se listados com um adjetivo primeiro; por exemplo, 'Densidade linear', será encontrado em 'Densidade linear' em vez de 'Densidade linear'. Se um termo for definido em outro local no padrão, foi feita uma tentativa de mostrá-lo em formato negrito. Os termos podem ser usados ​​como um substantivo (n.) Ou um verbo (v.) E quando vários usos são possíveis, a abreviação indica a maneira pela qual o termo é usado.


A

FIBRA ABACA: Uma fibra vegetal produzida a partir do tronco da abaca (muss textiles). Veja: Manila

RESISTÊNCIA À ABRASÃO: A capacidade de uma fibra ou cabo suportar o desgaste e a ruptura devido ao movimento contra outras fibras ou componentes do cabo (abrasão interna) ou uma superfície de contato que pode ser uma parte do próprio cabo (abrasão externa).

ADSORÇÃO: Um processo no qual um material absorve outro; como a absorção de água pelas fibras.

CABO ACESSÓRIO: Corda de pequeno diâmetro destinada ao uso em um sistema de suporte à vida, mas não como linha principal principal. (CI-1803)

ADSORÇÃO: Um processo de contato pelo qual a área da superfície de fibras, fios ou tecidos adquire uma camada extremamente fina de gás, líquido ou substância dissolvida.

FIBRA DE ARAMIDA : (também para-aramida) Fibra de alto módulo fabricada feita de poliamida aromática sintética de cadeia longa, na qual pelo menos 85% das ligações amida se unem a dois anéis aromáticos.

voltar ao topo>

B

VALOR BECKER: Uma medida padrão da refletância da fibra de abaca, expressa como um número sem dimensão, que é usada para classificar a fibra. Quanto maior o valor Becker, melhor a uniformidade, cor e aparência da fibra. (CI-1308)

CREME DE BLOCO: Um método de fabricação para produzir o maior comprimento de cabo em uma máquina de fabricação de cabo designada sem emendar ou atar nenhum dos seus componentes.

BRAID: n. Uma estrutura de corda ou têxtil formada por um processo de trança. v. O entrelaçamento de fios em um processo de trança para produzir uma estrutura de corda.

BRAID, DIAMOND: Um padrão de trança em que um fio (ou múltiplos fios) de uma direção de rotação em torno do eixo passa por um fio (ou múltiplos fios) na direção oposta e, por sua vez, passa sob o próximo fio da direção oposta. Também chamada de Trança Lisa

BRAID, DOUBLE: Uma corda construída a partir de uma corda trançada oca interna (núcleo) cercada por outra corda trançada oca (tampa). Também chamado Braid-on-Braid, 2 em 1 Braid. (CI-1201, 1306, 1307, 1310, 1311)

Trança oca: Uma única corda trançada com um centro oco. (CI-1201)

PADRÃO TRANÇADO: Uma descrição da maneira pela qual os fios de uma corda trançada estão entrelaçados.

Trança, liso: Veja BRAID, DIAMOND

Trança, único: Uma trança oca composta por vários fios que podem ser trançados em um padrão liso ou de sarja. Uma trança de 12 fios é comumente usada.

TRANÇADO, SÓLIDO: Uma trança cilíndrica na qual cada fio passa alternadamente sob e sobre um ou mais dos outros fios do cabo, enquanto todos os fios estão girando em torno do eixo na mesma direção de rotação. Na superfície, todos os fios parecem paralelos ao eixo. (CI-1201, 1320, 1321, 1322)

BRAID, TWILL: Um padrão de trança em que um fio (ou vários fios) de uma direção de rotação em torno do eixo passa por dois fios na direção oposta e, por sua vez, passa sob os próximos dois fios na direção oposta.

SPLICE DE CORTE: Em um cabo trançado, a continuação de um único fio interrompido (ou fio múltiplo) com outro fio idêntico trançado a partir do mesmo transportador. Os fios interrompidos e de reposição são dispostos em paralelo a alguma distância e são enterrados ou dobrados na trança, de modo a prendê-los na trança. Para manter a força máxima, os fios devem se sobrepor a uma distância suficiente.

FORÇA QUEBRADA: Também: Quebra de carga. A força máxima (ou carga) aplicada a uma única amostra em um teste de tração realizado para romper. É comumente expresso em libras-força, newtons, gramas-força ou quilogramas-força. (Veja a nota em Resistência à ruptura)

FORÇA DE QUEBRA, CICLADA: A força de ruptura de um cabo que foi submetido a um ciclo desde a tensão inicial até uma força cíclica de pico específica para um número especificado de ciclos antes do teste de ruptura. (CI-1500)

FORÇA QUEBRADA, NÃO CICLADA: A força de ruptura de um cabo, que não foi pedalado antes do teste de ruptura. (CI-1500)

COMPRIMENTO DE QUEBRA: Um termo para comparar a relação resistência / peso das estruturas têxteis de um produto para outro. O comprimento calculado de uma amostra cujo peso é igual à carga de ruptura.

QUEBRANDO A FORÇA: Para o cordame, a força (ou carga) nominal que se espera que rompa ou rompa uma única amostra em um teste de tração realizado sob um procedimento especificado. Em um grupo de amostras semelhantes, pode ser expresso como média ou como mínimo com base em análise estatística. Nota: A força de ruptura refere-se a uma força externa aplicada a uma amostra individual para produzir ruptura, enquanto a força de ruptura deve, de preferência, ser restrita à força média característica necessária para romper várias amostras de uma amostra. Enquanto a força de ruptura é numericamente igual à força de ruptura de uma amostra individual, a força de ruptura média observada para duas ou mais amostras de uma amostra específica é referida ou usada como força de ruptura da amostra.

QUEBRA DE FORÇA, MÍNIMO (MBS): A menor resistência à ruptura permitida para um determinado produto de corda, conforme estabelecido nos procedimentos em CI-2002

QUEBRA DE FORÇA, MÍNIMO: Para cordas kernmantle estáticas e de baixo estiramento, um valor três desvios padrão abaixo da média da força máxima aplicada a cinco ou mais amostras antes da falha quando testadas de acordo com o CI 1801. (CI-1801)

QUEBRA A TENACIDADE: Veja: Quebra de Tenacidade

voltar ao topo>

C

CARRIER: A parte de uma máquina de entrançar ou entrançar que segura a bobina de fio, linha, cordão, fio ou fio múltiplo e carrega esse componente quando a máquina é operada.

FIO DE COMBINAÇÃO: Na fabricação de cabos, esse termo é freqüentemente usado para designar um fio composto de vários materiais diferentes. Comumente usado para designar um produto em que a fibra de poliéster é enrolada em torno de um fio de polipropileno.

COMPONENTE, RRR DESIGN: Um componente do cabo, como um cordão, camisa ou núcleo, que, por design, deve permanecer intacto no primeiro intervalo e, assim, evitar falhas súbitas e completas do cabo e inibir ou impedir o recuo. (CI-1502)

COMPONENTE, TRANSPORTE DE CARGA: Um componente do cabo, como um fio ou uma jaqueta, que carrega uma parte significativa da tensão no cabo (CI-1502)

COIL: Um meio de empacotar o cabo, sem o uso de um carretel ou carretel, organizando o cabo em círculos concêntricos em torno de um eixo comum para formar um cilindro protegido por amarrações. (CI-1201)

CONDICIONADO: Processo que permite que materiais têxteis (grampos, fios, fios e tecidos) atinjam o equilíbrio higroscópico com a atmosfera circundante. Os materiais podem ser condicionados em uma atmosfera padrão (65% RH, 70 graus F) para fins de teste ou em condições ambientais existentes nas áreas de fabricação ou processamento.

CORDÃO: Um pequeno cordão trançado, entrançado ou entrançado, geralmente entre 5/32 "e 3/8" de diâmetro (4 mm e 10 mm).

CORDAGE: Um termo coletivo para cordéis, cordões e cordas fabricados com fibras e fios têxteis.

NÚCLEO 1) Um produto têxtil (fio, fio, corda de pequeno diâmetro, etc.) colocado no centro de uma corda e servindo de suporte aos fios à sua volta. 2) Interior (kern) de uma corda de Kernmantle. O núcleo pode ser de qualquer construção contínua, incluindo fios paralelos, fios torcidos ou fios trançados. (CI-2005)

CREEP: Veja: Deformação atrasada

DURAÇÃO DO CICLO: O comprimento ao longo do eixo da corda para que um fio faça uma rotação ao redor do eixo da corda.

CARGA CÍCLICA: Carregamento repetido de uma corda ou outra estrutura em serviço ou em uma máquina de teste. Nos testes de carga cíclica, a carga e descarga repetidas são realizadas entre os limites mínimo e máximo especificado de carga ou alongamento, ou podem ser executados aleatoriamente. Testes cíclicos tentam determinar o comportamento esperado de um cabo em uso, em particular suas alterações na resposta elástica e na resistência à ruptura após um determinado número de ciclos de carga ou de estiramento. e a descarga é realizada entre os limites mínimo e máximo especificado de carga ou alongamento, ou pode ser realizada aleatoriamente. Testes cíclicos tentam determinar o comportamento esperado de um cabo em uso, em particular suas alterações na resposta elástica e na resistência à ruptura após um determinado número de ciclos de carga ou de estiramento.

voltar ao topo>

D

Δ COMPRIMENTO: A mudança no comprimento, ao longo de um comprimento de bitola, de um cabo durante a aplicação de força de tração. (CI-1500)

Δ COMPRIMENTO IMEDIATO: O comprimento Δ do comprimento do medidor em ciclo medido em uma tensão específica. (CI-1500)

Δ COMPRIMENTO GERAL: O comprimento Δ do comprimento do manômetro não reciclado medido em uma tensão específica. (CI-1500)

Δ COMPRIMENTO PERMANENTE: O comprimento Δ do comprimento do manômetro não reciclado medido na tensão inicial após o cabo ter sido tensionado ou ciclado. (CI-1500)

Δ COMPRIMENTO NÃO CICLADO: O comprimento Δ do comprimento não reciclado medido com uma força aplicada específica durante o primeiro ciclo de tensão. (CI-1500)

DENSIDADE: A massa por unidade de volume. Veja: Densidade Linear

FATOR DE CORRELAÇÃO DE DENSIDADE: O produto da densidade linear do cabo e o quadrado do diâmetro do cabo. Esse fator é usado para comparar os pesos relativos de cordas do mesmo tipo ao estabelecer as densidades lineares das cordas para o padrão de corda.

FATOR DE PROJETO (DF): Para cabos, um fator usado para calcular a carga de trabalho recomendada, dividindo a força mínima de ruptura do cabo pelo fator de projeto. O fator de design deve ser selecionado somente após uma avaliação profissional do risco. (CI-1401, 1905)

DIÂMETRO REAL: Para cabos de segurança vitalícia, o tamanho do cabo conforme determinado quando testado de acordo com CI 1801 ou 1805. (CI-1801,1805)

DIÂMETRO NOMINAL: Diâmetro aproximado do cabo usado para fins de nomeação ou referência.

CARGA DINÂMICA: Para cordame. Qualquer força aplicada rapidamente que aumenta a carga no cabo significativamente acima da carga estática normal ou altera suas propriedades ao levantar ou suspender um peso.

voltar ao topo>

E

ELASTICIDADE: Propriedade de um material pelo qual ele tende a recuperar seu tamanho e forma originais imediatamente após a remoção da carga que causa a deformação. Para o cordame, a medida da capacidade de se esticar sob carga e se recuperar totalmente. Veja: Deformação Elástica.

DEFORMAÇÃO ELÁSTICA: Veja: Alongamento, Elástico.

ALONGAMENTO: A razão entre a extensão de um cabo, sob uma carga aplicada, e o comprimento do cabo antes da aplicação da carga, expressa em porcentagem. (CI-1303)

PTFE EXPANDIDO: (ePTFE) Uma versão forte e microporosa de politetrafluoretileno (PTFE) produzida por estiramento rápido

EXTENSÃO: A deformação (mudança de comprimento) de um cabo quando uma carga é aplicada.

EXTRACTABLE MATTER: Material sobre ou numa fibra, que pode ser removido por um solvente específico, conforme indicado em um procedimento específico. (CI-1303)

voltar ao topo>

F

FIBRA: Uma estrutura longa, fina e muito flexível que pode ser tecida, trançada ou torcida em tecido, barbante, cordame ou corda. (CI-1201)

FIBRA FABRICADA: Nome de classe para vários gêneros de fibras (incluindo filamentos) produzidos a partir de substâncias formadoras de fibras, que podem ser: (1) polímeros sintetizados a partir de compostos químicos, (2) polímeros naturais modificados ou transformados, (3) vidros e (4) carbono .

FIBRA NATURAL: Para corda e cordame, nome de classe para vários gêneros de fibras vegetais, como algodão, linho, juta, rami, sisal e manila (abaca). (CI-1201)

FILAMENTO CONTÍNUO: Fibras fabricadas de comprimento indeterminado, que podem ser convertidas em fios de filamentos, grampos ou rebocadores. (CI-1303)

FIO DE FILAMENTO: Um fio composto por filamentos contínuos montados com ou sem torção.

FILME: Fibra extrudida na forma de uma folha plana e contínua, com uma seção transversal retangular, que pode ou não ser cortada em fitas com largura menor.

FILME FIBRILADO: Filme formado pela ruptura em fibrilas com padrão aleatório ou simétrico, seguindo a orientação e / ou gravação do filme.

ACABAMENTO, MACACÃO: Um óleo, emulsão, lubrificante ou similar aplicado a um fio após a conclusão do processamento têxtil para melhorar o desempenho do produto acabado. (CI-1303)

PRIMEIRA PARADA: A primeira separação de pelo menos um componente de transporte de carga no cabo. (CI-1502)

APROPRIADO: Um componente de suporte de carga que é montado no cabo ou na funda. Pode ser de aço, alumínio ou outro material compatível com o limite de carga nominal do cabo ou do estilingue. (CI -1905)

FORCE: Uma influência física exercida sobre uma fibra, fio ou corda.

FORMAÇÃO: Para cordas trançadas, o processo de torcer dois ou mais fios antes de colocar, entrançar ou entrançar uma corda.

voltar ao topo>

G

COMPRIMENTO GAGE: O comprimento entre as marcas de medida do cabo na tensão inicial. (CI-1500)

COMPRIMENTO DO GÁGIO CICLADO: O comprimento do manômetro medido após o cabo ter sido carregado e ciclado e depois retornado à tensão inicial. (CI-1500)

COMPRIMENTO DO GÁGIO, NÃO CICLADO: O comprimento do manômetro medido antes da primeira aplicação de carga no cabo. (CI-1500)

MARCAS DE GAGE: Marcas colocadas próximas às extremidades de um novo cabo não reciclado para realizar alterações subseqüentes nas medições de comprimento. (CI-1500)

voltar ao topo>

H

HANK: Enrolamento solto de fios ou cordas geralmente de comprimento definido. (CI-1201)

DUREZA: Para cordas trançadas e entrançadas, uma indicação relativa da dificuldade de emenda expressa como uma força de penetração determinada de acordo com o método de teste CI 1501. (CI-1201, 1203,1303, 1501)

CALOR ESTABILIZADO: Um termo usado para descrever uma fibra ou fio que foi tratado termicamente para reduzir a tendência a encolher ou alongar sob carga a temperatura elevada.

ÂNGULO DE HELIX: O ângulo formado pelo caminho da fibra, fio ou fio e o eixo principal do produto acabado.

POLIETILENO DE ALTO MÓDULO (HMPE): Uma fibra de poliolefina produzida a partir de uma matéria-prima de Polietileno de Ultra Alto Peso Molecular (UHMWPE). Também chamado de PE de cadeia estendida (ECPE) ou PE de alto desempenho (HPPE).

ALTA TENACIDADE: Geralmente, uma fibra industrial com uma tenacidade superior a 6 gramas / denier ou uma cuja tenacidade seja significativamente maior que a normalmente encontrada em uma classe genérica específica de fibra. Não há um padrão aceito para delinear alta tenacidade. Veja: Tenacidade.

Histerese: A energia gasta, na forma de calor, mas não é recuperada durante um ciclo completo de carga e descarga. Pode ser medido determinando a área entre os gráficos de carga e descarga da curva tensão-deformação.

CURVA DE HISTERISE: Uma curva complexa de tensão-deformação obtida quando uma amostra é carregada e descarregada sucessivamente em uma faixa específica e o desempenho de descarga e carga é plotado.

voltar ao topo>

I

EM SERVIÇO: Uma corda de resgate é considerada "em serviço" se estiver disponível para uso em aplicações de segurança de vida. (CI-2005)

TENSÃO INICIAL: Baixa tensão aplicada antes de medir o comprimento Δ. O comprimento Δ é então medido a partir do comprimento inicial entre as marcas de medida nessa tensão inicial. (CI-1500)

INSPEÇÃO TÁTICA: Manipulação do cabo manualmente ou por outros meios para determinar a dureza e a flexibilidade. (CI-2001)

INSPEÇÃO VISUAL: Exame do exterior ou interior de uma corda por métodos visuais, que podem incluir ampliação. (CI-2001)

voltar ao topo>

K

KERNMANTLE: Um projeto de corda composto por dois elementos: um núcleo interno (kern) e uma bainha externa (manto). O núcleo suporta a maior parte da carga; e pode ser de fios paralelos, fios trançados ou trançados. A bainha serve principalmente para proteger o núcleo e também suporta uma parte da carga. Existem três tipos: estático, baixo alongamento e dinâmico. (CI-1801, 2005)

KNOTABILITY: Para corda de segurança de vida, um valor usado para determinar a capacidade de uma corda de segurança de vida para segurar um nó, quando testado de acordo com CI 1801 ou 1805. (CI-1801, 1805)

voltar ao topo>

L

CORDAS COLOCADAS: Cordas feitas pela torção de três ou mais fios, juntamente com a direção de torção oposta à dos fios.

COMPRIMENTO: Comprimento ao longo de uma corda para uma revolução completa de um único fio em cordas ou cordéis dispostos, torcidos, trançados ou entrançados.

APLICAÇÃO DE SEGURANÇA À VIDA: Um aplicativo no qual um cabo ou corda que atenda às especificações do CI 1801 e 1804 é obrigatório, fornecido e / ou usado para apoiar ou proteger a vida humana. (CI-1803)

DENSIDADE LINEAR: A massa por unidade de comprimento de uma fibra, fio ou corda. (CI-1201, 1303)

voltar ao topo>

M

MANILA: Fibra obtida dos estoques de folhas da planta de abaca para a produção de cordas e cordéis. Veja Fibra ABACA. (CI-1201)

FIOS MARINHOS: Um fio que demonstrou atender aos critérios mínimos de desempenho de abrasão de fios úmidos em fios (YoY), fornecido na diretriz relevante, CI-2009, quando testado de acordo com CI-1503.

MARCADOR: Um meio de distinguir um cabo de outro ou de um fabricante de outro pelo uso de fios, fitas ou outros marcadores em um cabo, externamente, internamente ou ambos. (CI-1201)

MARCADOR EXTERNO: Um marcador colocado na superfície de uma corda, em um padrão definido, percorrendo todo o comprimento da corda. (Também conhecido como marcador de superfície do fio) (CI-1201, 1303)

MARCADOR INTERNO: Um marcador colocado dentro de uma corda e percorrendo todo o seu comprimento. (CI-1201, 1303)

MARCADOR, FITA: Uma fita impressa contínua colocada dentro de uma corda, com o objetivo de fornecer informações específicas sobre todo o comprimento da corda, onde as informações são repetidas em um intervalo definido. (CI-1201)

MARKER, FIO: O fio marcador é normalmente uma cor contrastante da mesma fibra usada no cabo; no entanto, outras fibras podem e são usadas para o fio marcador. O fio marcador pode ser um único filamento, um grupo de filamentos ou um fio torcido e, dependendo da sua colocação, pode ou não ser incorporado em um elemento estrutural do cabo. (CI-1201)

MONOFILAMENTO: Fio constituído por um ou mais filamentos pesados, grossos e contínuos, produzidos pela extrusão de um material polimérico adequado para a produção de fibras.

MULTIFILAMENTO: Um fio constituído por muitos filamentos finos contínuos produzidos pela fiação de um material polimérico adequado para a produção de fibras.

MULTIPLICADOR: Um valor numérico, sem dimensão, usado para determinar a contagem de palhetas de cabos trançados e para superar a complexidade de listar uma variedade de contagens de paletas em uma especificação para cada tamanho de corda. (CI-1201)

voltar ao topo>

N

NYLON (PA): Fibra fabricada na qual a substância formadora de fibra (poliamida) é caracterizada por grupos amida recorrentes como parte integrante da cadeia polimérica. Os dois principais tipos de fibra de nylon usados ​​na produção de cabos são o tipo 66 e o ​​tipo 6. O número seis na designação de tipo é indicativo do número de átomos de carbono contidos nos reagentes para a reação de polimerização. (CI-1201, 1303, 1306, 1310, 1312, 1321,1601, 2003, XNUMX)

NYLON, GRAU INDUSTRIAL: Fibras com tenacidade média entre 7.0 e 15.0 gramas / denier. (CI-1303)

voltar ao topo>

O

SOBRECARGA: Exceder a WLL em 2 ou mais vezes ou carregar uma corda a mais de 50% de sua resistência à ruptura publicada (CI-2001)

voltar ao topo>

P

CONTA DA ESCOLHA: Em um cabo trançado, o número de fios girando em uma direção em um comprimento de ciclo dividido pelo comprimento do ciclo. Cada fio múltiplo com vários fios deve ser contado como um fio. A contagem de picking é normalmente expressa em picks por polegada.

FIBRA DE POLIARATO (também poliéster-arilato ou polímero de cristal líquido LCP): Uma fibra de alto módulo feita de poliéster aromático de cristal líquido termotrópico e produzida por fiação por fusão.

POLIAMIDA: Veja NYLON

POLIÉSTER (PET): Fibra fabricada na qual a substância formadora de fibra (poliéster) é caracterizada por um polímero de cadeia longa com 85% em peso de um éster de um ácido carboxílico aromático substituído. O ácido mais frequentemente utilizado é o ácido tereftálico na presença de etileno glicol. (CI-1201, 1302A, 1302B, 1304, 1305, 1307, 1311, 1322, 2003, 2009)

POLIÉSTER, GRAU INDUSTRIAL: Fibras de poliéster com tenacidade média superior a 7.0 gramas / denier. (CI-1304,1305)

POLIETILENO: Polímero olefínico produzido pela polimerização do gás etileno e usado na produção de fibras manufaturadas. O polietileno é semelhante ao polipropileno em suas propriedades, mas possui uma gravidade específica mais alta e um ponto de fusão mais baixo. (CI-2003)

POLÍMERO: Molécula de cadeia longa da qual derivam fibras artificiais; produzido pela ligação de unidades moleculares chamadas monômeros.

POLIMERIZAÇÃO: Uma reação química que resulta na formação de um novo composto cujo peso molecular é um múltiplo dos reagentes; envolvendo uma adição sucessiva de um grande número de moléculas relativamente pequenas (monômeros) para formar o polímero.

POLYOLEFIN: Classe de polímero em que as moléculas de cadeia longa consistem em pelo menos 85% em peso de unidades de olefina. O polipropileno e o polietileno são exemplos dessa classe de polímero. (CI-1302A, 1302B, 1620, 1900, 1901, 2003)

POLIPROPILENO (PP): Polímero olefínico produzido pela polimerização do gás propileno e usado na produção de fibras manufaturadas. O polipropileno pode ser extrudido em várias formas de fibra para uso do fabricante de cabos. (CI-1201, 1301A, 1302A, 1302B, 1320, 2003)

POLY OU PP: Uma abreviação usada na indústria para denotar polipropileno. (CI-1201, 1301A, 1302A, 1302B, 1320, 2003)

TESTE DE CARGA DE PROVA: Um teste de carga não destrutivo geralmente com o dobro do limite de carga nominal do cabo ou do estilingue. (CI-1905)

voltar ao topo>

Q

PESSOA QUALIFICADA: Uma pessoa que, em posse de um diploma reconhecido ou certificado de qualificação profissional em um campo aplicável, ou que, com amplo conhecimento, treinamento e experiência, demonstrou com sucesso a capacidade de resolver ou resolver problemas relacionados ao assunto e ao trabalho (CI-1905)

voltar ao topo>

R

LIMITE DE CARGA CLASSIFICADA (CAPACIDADE CLASSIFICADA): A carga ou capacidade que não deve ser excedida. (CI-1905)

RECUO: O fenômeno que as extremidades quebradas de uma corda tensionada recuam rapidamente após a ruptura. (CI-1502, 1903)

BOBINA: Um carretel de grande capacidade no qual corda é enrolada para armazenamento ou transporte. Veja SPOOL. (CI-1201)

SE APOSENTAR: Remoção permanente de um cabo de serviço, para que não seja mais usado para fins de segurança da vida ou outros fins. (CI-2005)

CORDA, trança de 12 fios: Um único cabo trançado produzido em uma máquina de 12 transportadores, onde os fios podem estar entrelaçados em um padrão de sarja ou liso. (CI-1201, 1305, 1312, 1901)

CORDA COMPOSTA: Uma corda fabricada com dois ou mais tipos de fibra. (CI-1302A, CI-1302B)

CORDA, FIBRA: Estrutura compacta, porém flexível, equilibrada à torção, produzida a partir de cordões que são colocados, entrançados ou entrançados para produzir um produto que serve para transmitir uma força de tração entre dois pontos. Geralmente maior que 3/16 "de diâmetro. (CI-1201)

CORDA, ALTA TENSÃO: Corda de segurança vitalícia com alongamento superior a 25% a 10% do MBS. (CI-1805)

CORDA, COLOCADA: Corda feita torcendo três ou mais fios juntos, com uma direção de torção oposta à dos fios. (CI-1805)

CORDA, SEGURANÇA NA VIDA: Um cabo que é mandatado, fornecido e / ou usado para apoiar ou proteger uma vida humana e atende às especificações das normas CI-1801 e 1805

LOG DE CORDA: Um registro escrito mantido separadamente para cada corda. Um registro de corda deve conter informações pertinentes sobre a corda e as condições sob as quais ela foi usada. (CI-2005)

CORDA, BAIXO ESTIRAMENTO: Corda de segurança vitalícia com alongamento maior que 6% e menor que 10% a 10% da sua força mínima de ruptura. (CI-1801)

CORDA, ESTIRAMENTO MODERADO: Corda de segurança vitalícia com alongamento superior a 10% e inferior a 25% a 10% da resistência mínima à ruptura do cabo. (CI-1805)

CORDA, REVESTIDA: Uma corda de 8 fios composta por dois pares de fios torcidos para a direita e dois pares de fios torcidos para a esquerda e entrançados juntos, de modo que os pares de fios de torção oposta se sobreponham alternadamente. (CI-1201, 1301, 1302B, 1303, 1304)

CORDA, RISCO DE RECOIL REDUZIDO (RRR): Corda projetada para ter uma tendência reduzida a quebrar completamente repentinamente e, assim, recuar catastroficamente, conforme demonstrado nos testes definidos no CI 1502. (CI-1502, 1903)

CORDA ESTÁTICA: Corda de segurança vitalícia com um alongamento máximo de 6% a 10% da sua força mínima de ruptura. (CI-1801)

ROUNDSLING: Uma funda sem fim composta por um núcleo de suporte de carga contínuo feito de fios sintéticos, encerrado em uma cobertura sintética de proteção, usada para fins gerais de elevação. Um roundsling pode ser de construção de caminho único ou de múltiplos caminhos. (CI-1905)

ROUNDDSLING, MULTI-PATH: Rolete construído com mais de um núcleo de suporte de carga por funda. (CI-1905)

CAMINHADA, CAMINHO ÚNICO: Rolete construído com um núcleo de suporte de carga por funda. (CI-1905)

voltar ao topo>

S

FACTOR DE SEGURANÇA: Como um fator de segurança não é uma garantia de segurança, o termo `` fator de design`` deve ser usado na seleção ou no design de produtos de cordame. Consulte: Fator de design

BAINHA: Cobertura externa (manto) de uma corda Kernmantle. (CI-2005)

CARGA DE CHOQUE: Qualquer condição de elevação rápida, mudança repentina de carga ou parada de queda de carga que forneça forças acima do normal no cabo ou na funda. Os efeitos dinâmicos costumam exceder o limite de carga nominal. (CI-1905, 2001)

FIO SIMPLES: Ver: Fios, Solteiro

SISAL: Uma fibra branca forte e forte produzida a partir das folhas da planta Agave e usada principalmente para cordéis e cordéis. (CI-1201)

NÚMERO DE TAMANHO: Uma designação nominal do tamanho do cabo, determinada a partir da circunferência aproximada, medida em polegadas, calculada como três vezes o diâmetro aproximado do cabo. .

GRAVIDADE ESPECÍFICA: Razão entre a massa de um material e a massa de igual volume de água.

SPLICE: A união de duas extremidades do fio, fio ou cordame, entrelaçando ou inserindo essas extremidades no corpo do produto.

SPLICE, OLHO: Uma terminação final na forma de um laço em um cabo, cordão ou barbante para facilitar seus testes e / ou uso, independentemente da construção. (CI-1303)

SPOOL: Um cilindro flangeado com um orifício axial no qual a corda é enrolada para armazenamento ou transporte. O carretel pode ser fabricado em madeira, metal, plástico, papelão ou uma combinação dos mesmos. (CI-1201)

STIFFNESS (EA): Rigidez é a inclinação de uma carga versus curva de deformação. Este valor é independente do comprimento. O EA é comumente usado em mecânica como a constante da mola multiplicada pelo comprimento. (CI-1500)

ESTRADA (e): A proporção de? comprimento ao comprimento da corda ao longo de um determinado comprimento de medição. (CI-1500, 1502)

ESTRADA IMEDIATA (I en%): A tensão em um n por cento especificado de resistência à ruptura, expressa como uma porcentagem do comprimento do medidor em ciclo. (CI-1500)

ESTRADA, GERAL (O en%): A tensão em n por cento especificado de resistência à ruptura, expressa em porcentagem do comprimento do manômetro não reciclado. (CI-1500)

ESTIRAMENTO, QUEBRA GERAL (OB e): A tensão geral na quebra de uma corda. (CI-1500)

ESTRADA, PERMANENTE (P e): A tensão na tensão inicial após um cabo ter sido submetido a um ciclo para uma força cíclica de pico especificada por um número especificado de ciclos, expresso como uma porcentagem do comprimento do manômetro não reciclado. (CI-1500)

ESTRADA, NÃO CICLADA (% Uen): A tensão na primeira aplicação de tensão medida em uma tensão específica. (CI-1500)

VERTENTE: O maior elemento individual usado no processo final de fabricação de cabos e obtido pela união e torção de vários fios ou grupos de fios.

INTERCÂMBIO DE STRAND: Veja emenda de braider. (CI-1201)

STRAND, MÚLTIPLO: Dois ou mais fios ou fios lado a lado sem serem torcidos juntos e trançados em uma corda do mesmo transportador.

FORÇA: A capacidade de resistir à força.

FORÇA, QUEBRA: Veja: Resistência à ruptura

CURVA DE ESTRESSE: Uma representação gráfica mostrando a relação entre a força aplicada (tensão) e a deformação na direção da força aplicada (tensão)

ESTICAM: Para cabos, um aumento no comprimento produzido como resultado da aplicação de uma força de tração.

ESTIRAMENTO, ATRASADO: Um aumento dependente do tempo no comprimento, enquanto está sob uma carga contínua, que pode ser recuperável ou não recuperável após a remoção da carga. O alongamento retardado não recuperável é chamado de fluência.

ESTIRAMENTO ELÁSTICO: A parte do alongamento recuperada imediatamente após a liberação de uma força aplicada.

ALONGAMENTO INSTANTÂNEO: A parte do alongamento que ocorre instantaneamente após a aplicação de uma carga ou o alongamento que ocorre instantaneamente no primeiro ciclo de uma carga cíclica.

ESTIRAMENTO PERMANENTE: Parte do trecho que não é recuperada mesmo após um período prolongado. Uma parte do alongamento permanente é devido ao realinhamento mecânico da estrutura do cabo.

voltar ao topo>

T

TENACIDADE: A tensão de tração expressa como a força por unidade de densidade linear da amostra não tensionada.

TENACIDADE, QUEBRA: A resistência à ruptura de uma amostra em um teste de tração realizado para ruptura e expressa como a força em relação à densidade linear da amostra

TENSÃO DE TENSÃO: A deformação relativa do comprimento exibida por uma amostra submetida a uma força de tração. A tensão é expressa como uma fração de um comprimento de bitola nominal em uma carga de referência. Veja: Extensão.

FORÇA DE TENSÃO, MÍNIMO: Veja: Resistência à ruptura mínima.

TESTE TENSÍVEL: Método para medir a tensão máxima de tração de uma fibra, fio, cordão ou corda quando esticada até um determinado ponto.

TENSÃO: Uma força aplicada ao longo do eixo de um material (uma fibra, fio ou corda).

TENSÃO INICIAL: Uma força de baixa tração aplicada antes da medição? Comprimento. ? O comprimento é então medido a partir do comprimento inicial entre as marcas de medida nessa tensão inicial. (CI-1500).

TENSÃO, REFERÊNCIA: Baixa tensão aplicada ao medir o diâmetro ou a circunferência e o comprimento da amostra de densidade linear. (CI-1500)

FORÇA CÍCLICA: A menor força aplicada durante um ciclo de força. (CI-1500)

TWINE: Um produto têxtil normalmente com menos de 0.200 mm de diâmetro geralmente montado em uma estrutura que compacta a fibra em uma estrutura utilizável em várias formas de construção. (CI-5)

TWIST: O número de voltas no eixo aplicado a uma fibra, fio, fio ou corda em um determinado comprimento para combinar os elementos individuais em uma estrutura maior e mais forte. O sentido de rotação em torno do eixo é indicado como torção "S" (mão esquerda) ou "Z" (mão direita).

TWISTING: O processo de combinar dois ou mais elementos têxteis paralelos, controlando as velocidades linear e rotacional do material para produzir um nível de torção específico.

voltar ao topo>

U

LUZ ULTRAVIOLETA (UV): Luz solar ou luz artificial logo após o limite visível do espectro visível da luz, que pode causar danos a algumas fibras sintéticas e naturais. (CI-1201)

USO: Um ou mais aplicativos individuais durante o curso de uma operação. (CI-2005)

USUÁRIO: Pode ser um indivíduo, empresa, organização, departamento, equipe ou qualquer outra entidade que esteja usando os produtos discutidos aqui. (CI-2005)

voltar ao topo>

W

CARGAS DE TRABALHO: Limitar os valores de carga derivados da resistência mínima à ruptura de um cabo dividido pelo fator de projeto.

LIMITE DE CARGA DE TRABALHO (WLL): A carga de trabalho que não deve ser excedida para um aplicativo específico, conforme estabelecido por uma agência reguladora ou de padrões. (CI-1303, 1401)

voltar ao topo>

Y

FIO: Um termo genérico para uma coleção contínua de fibras, filamentos ou materiais têxteis, em uma forma adequada para entrelaçar para formar uma estrutura têxtil através de qualquer um de vários processos têxteis.

FIO, COMBINAÇÃO: Veja: Fios de combinação

CONSTRUÇÃO DE FIO: Um termo usado para indicar o número de fios a serem combinados ao produzir um fio, cordão ou corda.

FIO, FILAMENTO CONTÍNUO: Fio produzido com filamentos de comprimento indefinido e seção transversal uniforme.

FIO, COBERTURA: Um fio posicionado na superfície externa de um fio ou corda individual, que geralmente é torcido para oferecer melhor resistência à abrasão.

FIO ÚNICO: A estrutura têxtil mais simples disponível para processamento em corda, barbante ou cordame.

FIO PLIED: Um fio formado pela torção de dois ou mais fios únicos em uma operação em uma direção oposta à direção de torção dos fios únicos para produzir uma estrutura equilibrada.

FIO, FIO: Um fio constituído por fibras de agrafos regulares e irregulares, unidas por torção.

YOUNG'S MODULUS: Um coeficiente de elasticidade de um material, expressando a razão entre uma tensão que age para alterar o comprimento de um corpo e a variação fracionária de comprimento causada por essa força.

voltar ao topo>

Sale

Indisponível

Esgotado